Campinas ganha espaços especializados no universo geek

0
710

Roberto Alves Rodrigues, Julia Ferreira e José Diniz têm entre 18 e 58 anos. Em comum, a paixão pelo universo geek e coincidentemente a preferência pelo Batman.

Geek é a gíria americana para se referir aos aficionados por super-heróis, tecnologia, filmes de ficção científica, jogos e histórias em quadrinhos. É uma variável do conceito nerd.

Roberto é sócio proprietário da Attack Comic Shop, no centro de Campinas. A demanda de clientes como Julia e José o fez, há três anos expandir a loja que reúne desde quadrinhos por R$ 1, até um busto do homem morcego que não sai por menos de R$ 4 mil.

O filme do momento é Logan, mas até o final do ano a lista de estreias é extensa – “Guardiões da Galáxia”, “Mulher Maravilha”, “Homem-Aranha: De Volta ao Lar”, “Thor: Ragnarok” e “Liga da Justiça”.

Nesta lista o destaque para heroína que desperta o público feminino dentro desse universo geek.

Carlos Tadeu Ferraz que é um dos responsáveis pela Hamburgueria  Yougeek no Cambuí já vê o interesse do sexo feminino em um ambiente que une itens que levam a loucura os fãs. Ele aproveita esse envolvimento para criar eventos específicos. A loja tem três meses em Campinas e se vislumbra um grande potencial.

Há um destaque ainda para os games que têm como protagonistas as mulheres, como “Lara Croft”.

Os jogos, na Yougeek, se unem a um espaço gourmet. O cardápio não foge à regra – para aquele lanche rápido, o “Flash Burger”, ou quem sabe “The Tetris” que remete aos mini games, com frango crispy, no pão de brioche.  

Se começamos com a paixão pelo Batman, logo encontramos neste mercado promissor, quem prefira os vilões. É o caso do Luiz Ferraz.

Saindo dos filmes, os quadrinhos fascinam. No Brasil, Turma da Mônica toma conta das prateleiras de gibis. Ricardo Quintana que fã dessa vertente, traça ainda autores contemporâneos que se sobressaem abordando vários assuntos. Ele é diretor da Pandora Escola de Artes. Nela, mais de 40% dos alunos fazem aulas de desenho em quadrinho ou de mangá.

Além de lojas especializadas no mundo geek, grandes livrarias de Campinas já têm espaços específicos com HQs e colecionáveis.

Na Internet, o número de grupos para venda e troca desses produtos é crescente na região, um deles tem cerca de 400 membros.

DEIXE UMA RESPOSTA