Cartola nasceu em 1908 no Rio e viveu os primeiros anos de vida em Laranjeiras , as dificuldades financeiras da família levaram todos para Mangueira que provou que, beleza, elegância, refinamento e outras qualidades artísticas também podem vir de um lugar  pobre e  subestimado pela sociedade. Cartola foi um alquimista, transformou seu sofrimento, vivências e dificuldades em arte pura para o  entendimento da vida.  Depois de ser abandonado pelo Pai,  Cartola  foi viver com Diolinda, sua primeira mulher que era  mais velha    e o apoiou incondicionalmente Cartola foi  um dos criadores da escola de samba “ Estação Primeira de Mangueira” ,  quando numa ação política muito hábil, uniu os vários blocos rivais que haviam no morro,  Cartola deu identidade à comunidade através da  Verde e Rosa.

 

Estação de trem que deu nome a escola do coração

 

Autodidata, Cartola lia muito, Olavo Bilac, Castro Alves e Camões. Tamanha  qualidade fez com que os seus versos fossem comprados por diversos cantores nos anos 30 como Francisco Alves. Mas também outros  compositores fizeram parcerias,  como: Noel Rosa e Elton Medeiros . Além de Carlos Cachaça amigo e cunhado com quem dividiu a autoria de vários sambas. Nos anos 60 Nara Leão e na década seguinte Paulinho da Viola e Beth Carvalho  gravam canções de Cartola que se tornaram grandes sucessos.

 

Inspiração nos grandes mestres.

 

Endividado depois  do fim do restaurante Zicartola ele foi  trabalhar  como continuo no Ministério  da Indústria e do Comercio .  E só consegui gravar seu primeiro disco em 1974 aos 66 anos  e retomou mais vez a carreira,  com uma série de shows a onde veio o  reconhecido do grande público, quando por exemplo no teatro de Porto Alegre cantando a clássica canção  “ As Rosas não falam” foi surpreendido por uma chuva de pétalas brancas e sendo aplaudido pelo público em pé. O poeta não aguentou e chorou emocionado.

 

Dona Zica sua eterna esposa.

 

O compasso do samba ficou mais fraco e triste no dia 30 de Novembro de 1980. Morria Cartola.  Mas antes disso Carlota resumiu  com maestria o seu oficio que era fazer música para ser guardada  no coração e não em  coleções de discos. E a respeito  das dificuldades da vida,  Cartola não perdia o bom humor, e dizia que a sua vida parecia filme de mocinho  a vitória  só veio  no final.

 

 

A vitória só vei no final.

A obra de Cartola é o destaque desta edição do quadro Música é Cultura

entre em contato

robson@cbncampinas.com.br

produção

Walmir Bortoletto

edição

Paulo Girardi

DEIXE UMA RESPOSTA