Unicamp discute a constituição de um geoparque na região de Rio Claro

0
422

Um recente sinal Verde da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) para a constituição de um Geoparque na bacia do Rio Corumbataí, na região de Rio Claro, motivou a criação de um fórum para discutir o tema na Unicamp. A Bacia do Rio Corumbataí abrange 7 cidades: Piracicaba, Itirapina, Iracemápolis, Charqueada, Ipeuna e Analândia, além de Rio Claro. A existência de vários geossítios na região, como explorações minerais, existência de fósseis, remanescentes florestais, recargas de aquíferos etc demonstra o potencial da região para se tornar geoparque.

Francisco Lahóz, secretário executivo do Consórcio PCJ e idealizador da proposta de criação do Geoparque do Corumbataí, explica que várias regiões da Região Metropolitana de Campinas têm essa potencialidade. Segundo uma das organizadoras do evento, Luciana Cordeiro de Souza, professora da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp, o Geoparque é uma área ambiental protegida de grande dimensão com potencialidade para desenvolvimento sócio-econômico sustentável no local como turismo e a criação de empreendimentos e empregos, além da atração de capital privado.

José Alexandre Perinotto é vice-diretor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp, no campus de Rio Claro, que é a universidade responsável por iniciar os estudos das potencialidades da região como geoparque. Existem 120 Geoparques no mundo.  No Brasil, apesar de sua grande potencialidade, só há um Geoparque, o Ararípe, no Ceará. O aspecto educacional é um dos mais importantes para que a Unesco reconheça uma região como Geoparque.

Celso Dal Ré Carneiro, coordenador do programa de pós-graduação em ensino e história de ciências da terra da Unicamp, explica que a população que vive nessas localidades é a primeira que precisa ter conhecimento de sua riqueza ambiental e da necessidade do envolvimento da comunidade. O fórum Geoparque identidade geográfica cultural e preservação ambiental é uma realização do Fórum Pensamento Estratégico com apoio da Faculdade de Ciências Aplicadas e do Instituto de Geociências da Unicamp.