Novas internações na UTI pediátrica da Unicamp seguem suspensas nesta quinta-feira

0
254

O Hospital de Clínicas (HC) prorrogou a suspensão de novas internações pediátricas por mais um dia. A suspensão teve inicio às 18h00 de terça-feira, 19, devido à superlotação da Urgência Pediátrica (UER), UTI Pediátrica e da Enfermaria Pediátrica. Inicialmente as internações estariam suspensas por 24 horas. Porém, como a situação seguiu crítica, a suspensão foi prorrogada por mais 24 horas.

A UTI Pediátrica do HC tem capacidade para atender 10 crianças, mas 14 estavam internadas no local, com ventilação mecânica, quando teve início a suspensão. O Delegado do Conselho Regional de Medicina, Marcelo Conrado, explica que o número de vagas de UTI pediátrica na rede pública de Campinas, 40 no total, até seriam suficientes para o tamanho da cidade.

Porém, o HC da Unicamp e o Hospital Estadual de Sumaré, também administrado pela Unicamp, são referência para os Departamentos Regionais de Saúde 7 e 14, que somados atendem 62 cidades. “São os únicos hospitais de referência com UTI pediátrica pra todas as cidades dos Departamentos Regionais de Saúde 7 e 14, é uma população muito maior do que só a cidade de Campinas”, explica Conrado.

E o problema não é somente a estrutura insuficiente para a demanda. Com a superlotação, há também a falta de pessoal, e funcionários do hospital sobrecarregados. “Pra cada duas crianças internadas na UTI é necessário uma técnica de enfermagem; para cada cinco crianças internadas, uma enfermeira; para cada dez crianças é preciso um médico intensivista. Então com esse aumento é preciso deslocar pessoal para que haja o funcionamento adequado”, diz Conrado.

O tempo frio e seco contribui para um grande aumento de crianças com doenças respiratórias, como a bronquiolite. Segundo o HC, as crianças graves que estão na UTI são vítimas principalmente de bronquiolites, mas há também casos de poli traumas, doenças crônicas e pacientes aguardando transplantes.

A superlotação acomete também a na Urgência Pediátrica, com sete leitos ocupados por crianças na observação, e a enfermaria de pediatria, com 36 crianças em ventilação mecânica.

Apesar disso, o pronto atendimento pediátrico na unidade não está suspenso, e na manhã desta quinta-feira praticamente não havia procura. Porém, a recomendação é que os pais busquem outras unidades de saúde, uma vez que crianças em situação mais grave não poderão ser internadas. Os serviços de resgate e emergência foram orientados a não levarem crianças ao HC.

E toda essa situação provoca reflexos no atendimento no restante da cidade. A Secretaria Municipal de Saúde de Campinas informou que o Hospital Mário Gatti registrou aumento de 20% na procura pelo PS Infantil. Na manhã desta quinta-feira a procura estava dentro da normalidade, como relata Josival, que levou o filho gripado ao Mário Gatti. “Hoje está bom, tem dia que é ruim, mas hoje está bom, está rápido”. Porém, em outros horários, pode haver maior tempo de espera em horários em que a procura for maior.

A suspensão de internações pediátricas no HC não é novidade, e já ocorre ao menos uma vez ao ano desde 2015, sempre por conta da superlotação. Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde informou que o Departamento Regional de Saúde de Campinas (DR7) tem mais de 130 leitos para atendimento pediátrico pelo SUS, incluindo leitos de internação e UTI que podem atender a demanda durante a suspensão no HC da Unicamp.