Depois do prefeito de Campinas, Jonas Donizette, se posicionar em relação aos desdobramentos da operação do Gaeco que investiga o desvio de recursos públicos do Hospital Ouro Verde, agora foi a vez do secretário de relações institucionais, Wanderlei de Almeida, sair em defesa de Sílvio Bernardin. O secretário de assuntos jurídicos de Campinas foi citato por quatro réus nos depoimentos dados à justiça na última terça-feira. Segundo os investigados, Bernardin teria participado de reuniões com a diretoria da OS Vitale e exigido a contratação de um médico com vencimentos acima do valor de mercado, além da contratação de um novo serviço de lavanderia e a substituição do laboratório de análises clínicas.

Wanderlei de Almeida usou os mesmos argumentos do prefeito Jonas Donizette, de que os depoimentos dos réus são contraditórios e que por isso, não há motivos para o afastamento imediato do secretário. Na visão do secretário de relações institucionais, Wanderlei de Almeida, não há nenhum indício de envolvimento de agentes do alto escalão do governo municipal em esquemas de corrupção no hospital Ouro Verde, mesmo tendo o nome de Bernardin citado várias vezes por diferentes réus.

Enquanto o prefeito Jonas Donizette e o secretário de relações institucionais Wanderlei de Almeida saem em defesa de Sílvio Bernardin, o titular da pasta de assuntos jurídicos permanece em silêncio. Desde que seu nome foi citado pelos réus em depoimento à Justiça, ele não veio a público para comentar as delações.