Após os novos desdobramentos sobre o desvio de dinheiro do Hospital Ouro Verde, através da OS Vitale, e um suposto envolvimento do alto escalão da prefeitura de Campinas, o Sindimed, Sindicato dos Médicos de Campinas e Região, vai protocolar mais um pedido de instalação de CPI da Saúde na Câmara Municipal.

O Diretor Jurídico e de Relações Trabalhistas do Sindimed, Casemiro Reis, defende, além da abertura da CPI na Câmara, o afastamento do secretário de assuntos jurídicos, Sílvio Bernardin, durante as investigações. Um ponto de vista também defendido na Câmara Municipal, pelos vereadores da oposição, como explica Pedro Tourinho, do PT.

Já, os vereadores da base governista, apesar de concordarem ser necessária a investigação, consideram que, por enquanto, ela deve se restringir à Justiça. No entanto, o líder do governo na câmara, Marcos Bernardelli, do PSDB, convidou Bernardin para prestar esclarecimentos e garante que ele comparecerá no dia 24 deste mês.

Os réus do caso, que prestaram esclarecimentos à Justiça na última terça feira, disseram que Bernardin teria participado de reuniões com a diretoria da OS Vitale, e teria feito até exigências para a contratação de um médico com salário acima do valor de mercado e a troca dos serviços de lavanderia e do laboratório de análise dos exames.

Mesmo assim, o secretário municipal de relações institucionais, Wanderlei de Almeida, defende a decisão do prefeito de Campinas, Jonas Donizette, em manter Bernardin em suas funções, alegando que ele foi apenas citado e mesmo assim, com contradições nos depoimentos. Até o momento, o secretário de assuntos jurídicos de Campinas, Sílvio Bernardin, não se pronunciou sobre os depoimentos dos réus.