As novas citações ao secretário de Assuntos Jurídicos, Silvio Bernardin, nos acordos de delações sobre o Caso Ouro Verde geraram reações diferentes dentro da Comissão de Representação que apura os desvios na Câmara de Campinas.

Presidente do grupo de trabalho formado logo após a revelação do escândalo, o vereador Rodrigo da Farmadic, do PP, vê na reunião do próximo dia 24 o momento ideal para ouvir Bernardin, citado diretamente por quatro réus.

Integrante da base aliada de Jonas Donizette do PSB no Legislativo, Rodrigo nega que haja protecionismo ao Executivo e defende que a oposição, que queria a convocação imediata, também terá oportunidade de questionar o secretário.

Já o membro da comissão, Cidão Santos, do PROS, por outro lado, reafirma o apoio a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar os indícios, mesmo que garanta presença na sessão que deve ouvir Bernardin.

Cidão deixou a base governista no final do ano passado e justificou que a decisão se deu pelos desdobramentos das investigações do Ministério Público sobre os desvios de pelo menos R$ 4,5 milhões do Hospital Municipal Ouro Verde.

Ele também assinou as duas propostas de criação de CPI que não tiveram a adesão mínima de 11 assinaturas e por isso repete ser a favor da abertura. Ainda assim, diz que vai questionar o secretário na reunião marcada para o dia 24.

Criada no fim de 2017 após a operação do Gaeco sobre irregularidades envolvendo a OS Vitale e membros da Prefeitura, a Comissão de Representação é formada majoritariamente por membros da situação na Câmara de Campinas.

Em janeiro deste ano, o grupo ouviu o responsável pela Pasta de Assuntos Jurídicos, Silvio Bernardin, que negou ter qualquer tipo de amizade com os diretores da Vitale após ter o telefone grampeado durante as investigações.