O contrato de concessão de 900 pontos de parada de ônibus de Campinas foi assinado há quase dois meses e pouco mudou na opinião dos usuários do transporte coletivo da cidade. Stephanie Fernandes trabalha na área de marketing e utiliza um dos pontos de ônibus que já foi substituído, na Avenida Sales de Oliveira, em frente à Emdec. Ela aprovou a mudança, mas acha que está demorando muito para ver a melhoria em outros pontos da cidade. Os novos abrigos devem seguir o padrão dos que foram instalados pela Emdec na Avenida Francisco Glicério, no trecho entre as avenidas Orosimbo Maia e Benjamin Constant.

Felipe Santos, que utiliza um ponto de ônibus na Avenida Anchieta, lembra que não houve substituição desde a depredação ocorrida nas manifestações de 2013. O estudante, Luiz Henrique, reclama da falta de iluminação e de proteção contra chuva. O contrato prevê o pagamento de outorga no valor de R$ 2,5 milhões. A concessão será de 20 anos, e a empresa investirá no período pouco mais de R$ 27 milhões na implantação e manutenção dos abrigos.

A empresa poderá explorar a publicidade nos abrigos que instalar, e 6% do valor arrecadado será repassado à prefeitura. Além do espaço para publicidade, os novos abrigos devem conter informações sobre as linhas que atendem o ponto, iluminação, assentos individuais, espaço para cadeirantes, e entradas USB para carregamento de celulares. Até o fechamento dessa matéria, o Secretário de Transportes não respondeu à solicitação de resposta.