Mesmo após a determinação da Justiça do Trabalho de que motoristas de ônibus não realizem cobranças de passagens, ainda é possível viajar por Campinas e pagar em dinheiro.

Apesar da decisão pelo fim da dupla função nos coletivos pelo Ministério Público, em maio de 2017, e a condenação de companhias por danos morais coletivos pela Justiça nesse ano, a reportagem esteve em pontos de ônibus da região central da cidade, e verificou que os motoristas continuam recebendo dinheiro dos passageiros, que deveriam embarcar com o cartão do bilhete único ou QR Code.

O vendedor Marcel Sanches utiliza o transporte coletivo todos os dias, e afirma que a cobrança tem acontecido normalmente.

Maria do Carmo Neves, que é professora, diz que é possível embarcar e pagar em dinheiro para o motorista em qualquer linha, a menos que o embarque seja feito no Terminal Central.

Informação que é confirmada pelo auxiliar de serviços gerais, André Vieira.

Em julho deste ano a juíza do trabalho, Maria Flavia Roncel de Oliveira Alaite, assinou uma nova decisão, estipulando que no prazo de 60 dias as empresas interrompessem qualquer tipo de cobrança de tarifa por motoristas, mesmo que o ônibus esteja estacionado. Também foi fixada uma multa em caso de descumprimento, no valor de R$ 20 mil reais por empresa.

Procurado, o Secretário de Transportes de Campinas, Carlos José Barreiro, não soube dar resposta referente a cobrança que, mesmo condenada, continua acontecendo no transporte público municipal.