As armas encontradas e apreendidas pela Polícia Militar de Hortolândia na madrugada desta terça-feira, 30, podem ter sido utilizadas no assalto à uma empresa de transporte de valores em Ribeirão preto, ocorrido na madrugada de segunda-feira, 29.

As armas foram localizadas após denúncia anônima recebida pela Polícia de que quatro homens teriam enterrado as armas em uma área de invasão. Uma equipe do 48º Batalhão foi até o local, e encontrou a terra batida. Ao cavarem, encontraram quatro fuzis, uma espingarda calibre 12, munições, e um rifle ponto 50, que tem a capacidade de abater aviões. Ninguém foi preso.

O Diretor do Departamento de Polícia Judiciária São Paulo Interior (Deinter-3), o delegado João Osinski Junior, disse em entrevista à rádio CBN de Ribeirão Preto que as armas encontradas em Hortolândia estão relacionadas com o roubo ocorrido em Ribeirão. “com certeza está relacionado ao roubo em Ribeirão Preto”.

O delegado afirmou que a Polícia trabalha agora na realização da perícia para verificar se as cápsulas deflagradas encontradas no local do assalto foram disparadas pelas armas encontradas em Hortolândia. “Nós vamos agora fazer um confronto balístico, ou seja, com as cápsulas apreendidas em Ribeirão Preto a gente faz um confronto balístico para saber se partiram das mesmas armas apreendidas, e logicamente produzir a prova, pois a gente coloca com isso as armas e as pessoas na cena do crime, e uma prova bem feita dá condições da justiça fazer uma condenação longa para que os indivíduos sejam retirados da sociedade”.

O assalto à empresa de transporte de valores Brink’s, em Ribeirão Preto, foi realizado durante a madrugada de segunda-feira, 29. Um homem foi feito refém e explosivos foram utilizados para destruir um dos muros da empresa.

A Polícia Militar chegou ao local enquanto os bandidos ainda estavam nas dependências da empresa. Houve troca de tiros por cerca de duas horas. Um dos suspeitos de participação no assalto morreu baleado. Outros três suspeitos foram detidos, mas acabaram sendo liberados por falta de provas. Nada foi levado da empresa.

Em nota, a Brink’s se coloca a disposição das autoridades para eventuais esclarecimentos dos fatos, e informou que e que os funcionários que estavam no local no momento do crime receberam assistência e passam bem.