Uma árvore frondosa e centenária, que proporcionava uma grande sombra no Centro de Convivência Cultural, no Cambuí, em frente à entrada do Teatro, foi retirada pela Prefeitura de Campinas. Segundo o DPJ, o procedimento foi necessário porque a figueira estava morta e apresentava risco de queda por causa da baixa resistência a ventos.

Uma justificativa que não convenceu a moradora do Cambuí, Daiane Ribeiro. Para ela, a administração municipal deveria fazer a manutenção e prevenção para evitar uma perda como esta para a arborização urbana. O morador do Cambuí, Marcelo Domingos, também ficou perplexo com a retirada da árvore

Quem trabalha na região, como Wilma Maria, também sentiu demais a retirada da figueira. O secretário de serviços públicos, Ernesto Dimas Paulella, explica que a espécie não é nativa e não é adequada para a arborização urbana e foi acometida por um fungo.

Ele alega que a árvore finalizou seu ciclo de vida e o diagnóstico antecipado e prevenção são impossíveis neste caso. De acordo com Paulella, no local será plantada uma árvore nativa, com altura de 2,5 a três metros. O tempo aproximado para a nova árvore atingir o tamanho desta que foi retirada é de 30 anos.