A Região Metropolitana de Campinas apresentou saldo positivo nas exportações de setembro, em relação ao mesmo período de 2017.

O valor total em produtos vendidos ao exterior foi de US$ 453,2 milhões – 11% a mais que no ano passado. Essa quantia também é a maior registrada em 2018.

De acordo com o levantamento do Observatório Puc-Campinas, o número é proveniente do crescimento de exportações nos setores automotivo e farmacêutico.  Já as importações apresentaram queda de 7,9% no período, principalmente na compra de aparelhos telefônicos e agrotóxicos.

O economista responsável pelo estudo, Paulo Oliveira, explica que a queda nas atividades de importação pode ser justificada pela diminuição na produção industrial nacional que demanda esse tipo de matéria-prima.

Apesar do resultado positivo de setembro, o déficit da balança comercial na RMC segue em crescimento, uma vez que a diferença entre importações e exportações atingiu USS 6 bilhões no acumulado do ano. Se comparado ao déficit do último estudo divulgado pelo Observatório Puc-Campinas, o balanço atual aponta aumento de 13%.

Segundo Oliveira, ao aumentar a produção interna, a exportação é elevada, e isso pode ser um dos fatores que levam ao déficit comercial.

Vale lembrar que Campinas é o Município que detém maior participação nas transações, e exportou ao longo deste ano o valor de US$ 844,7 milhões, e importado produtos que ultrapassam US$ 2,3 bilhões. Também trazem números expressivos as cidades de Paulínia, Indaiatuba, Vinhedo, Valinhos, Itatiba, Sumaré, Americana e Jaguariúna.