Após a morte de um aluno e outros outro terem passado mal ao inalarem gás tóxico numa aula de natação, a academia Hydrocenter de Campinas continua funcionando normalmente, inclusive na área de piscina, mesmo com o alvará vencido.

A Assessoria de Imprensa da Hydrocenter informou que a academia entrou com um pedido de renovação de alvará e, por isso, durante esse processo em andamento tem autorização de funcionar.

A Polícia Civil instaurou um  inquérito para apurar a morte do consultor Samuel Rodrigues Squarisi, de 38 anos.

Foram realizadas perícias e diligências e os responsáveis pela academia e funcionários envolvidos ainda serão ouvidos.

Duas vítimas ainda permanecem internadas. A assessoria de imprensa do HC da Unicamp informou que o Homem que está na UTI do Hospital continua em estado grave. Mas, o estado de saúde da mulher que está internado no Hospital Vera cruz não foi informado.

A prefeitura de Campinas informou que a academia não tem licença da Vigilância Sanitária e tem 10 dias (a partir de 3 de dezembro) para regularizar a situação junto ao órgão, procedimento que a assessoria da academia informou já ter feito .

O Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) continua acompanhando o caso.

Os alunos da HydroCenter sofreram intoxicação aguda por inalação de cloro na noite de quinta-feira. A combinação  de dois tipos de cloro provocou um gás extremamente tóxico para os pulmões. A substância não chegou nem a ser jogada na água. Foi um erro não intencional do funcionário que trata as piscinas.