A Polícia Civil de Campinas instaurou, nesta segunda-feira, inquérito para apurar a morte do aluno Samuel Squarisi, de 38 anos, depois de ser intoxicado por gás de cloro na academia HydroCenter, no bairro Guanabara. Ele chegou a ficar internado na UTI do Hospital de Clínicas da Unicamp mas não resistiu. Duas pessoas ainda seguem internadas em estado grave, sendo uma mulher de 51 anos, no HC da Unicamp e um homem de 39 anos, no Hospital Vera Cruz.

Outras seis pessoas estavam na piscina coberta e também tiveram sintomas de intoxicação. Pelo menos três procuraram atendimento médico em outras unidades hospitalares, mas já foram liberadas e passam bem.

De acordo com a Polícia Civil, nesta segunda-feira, foram realizadas perícias e outras diligências. Os responsáveis pela academia e funcionários envolvidos ainda serão ouvidos, em horários que serão agendados.

A Prefeitura autuou a empresa já que, segundo ela, a academia não tem licença de funcionamento. A HydroCenter tem 10 dias úteis para regularizar a situação.

Em nota o estabelecimento informou que está empenhando todos os esforços, inclusive com a contratação de empresa especializada para apurar as causas do acidente, além de se colocar à disposição e colaborar com os órgãos públicos.

Nas redes sociais, a academia se pronunciou emitindo uma Nota de Pesar em que dizia ser com profundo pesar e intenso sofrimento que anunciavam o falecimento do aluno Samuel Rodrigues Squarizi. Dizia ainda que a academia, seus familiares, professores, demais familiares e parceiros expressavam sincera solidariedade à família e seus amigos neste momento de tanta dor. Nesta segunda-feira, a academia permaneceu fechada.