A Catedral Metropolitana de Campinas realizou nesta sexta-feira um missa em memória aos mortos na chacina registrada no local em dezembro do ano passado. A celebração marcou os 30 dias da tragédia. No dia 11 de dezembro, Euler Fernando Grandolpho, entrou na igreja e começou a disparar contra os fiéis, que tinham assistido a uma missa. Quatro pessoas morreram no local: Sidnei Vitor Monteiro,José Eudes Gonzaga Ferreira, Cristofer Gonçalves dos Santos e Elpidio Alves Coutinho. Heleno Severo Alves, de 84 anos, ficou internado no hospital Mario Gatti, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no dia seguinte.

Além deles, o autor dos disparos se matou dentro da igreja depois que foi baleado por policiais militares que socorreram as vítimas. Menos de 24 horas após a tragédia, a Catedral reabriu assuas portas e voltou a receber os fiéis. Para o Monsenhor Rafael Capelato, isso foi fundamental para que a igreja retomasse sua normalidade, sem esquecer a tragédia. A investigação da polícia apontou que Euler Fernando Grandolpho agiu sozinho. Ele sofria de problemas psicológicos e mania de perseguição.