Duas construções inacabadas chamam atenção pelos sinais de abandono dentro do campus da Universidade Estadual de Campinas. Na maior delas, perto do Centro de Convenções, uma placa do Governo de São Paulo está desbotada e exemplifica o desgaste do local. Na outra, as sustentações do esqueleto de um prédio perto da entrada pela Avenida Guilherme Campos indicam que a obra é antiga.

Para quem frequenta a Unicamp, principalmente a área da saúde, no Hospital de Clínicas, a situação expõe uma série de problemas. Mas três foram citados de maneira unânime: o mau uso das verbas públicas, a burocracia e a falta de fiscalização e transparência. Aline Carvalho e João Amadeu cobram atenção com contratos e projetos e mais cuidado com os gastos que podem refletir na população.

A obra maior fica entre as ruas Elis Regina e Bertrand Russell. A menor, com pilastras à mostra, na Rua Tessália Vieira de Camargo. A Unicamp foi procurada e questionada sobre o motivo do abandono dos dois prédios e respondeu através da assessoria de imprensa. Em nota, alega que “a obra ao lado do Centro de Convenções será o Teatro Laboratório do Instituto de Artes, e o da Rua Tessália será o Departamento de Medicina Translacional, da Faculdade de Ciências Médicas”.

No comunicado, diz que ambas seguem com a “destinação original”, detalha que “a construção do teatro foi planejada para ocorrer em etapas” e diz que o outro prédio tem recursos oriundos do FINEP, mas com contrapartida. Porém, culpa o “contingenciamento orçamentário que abate a Universidade desde 2015”, também cita a “queda da arrecadação” para explicar a razão da falta de continuidade dos trabalhos e diz ainda ter os projetos originais.

Por fim, justifica que vai priorizar o término de obras inacabadas e que “providências estão sendo adotadas para que os dois casos tenham início ainda esse ano”. Para o prédio da Medicina um aporte maior será pedido à Finep. Já para o teatro, “há necessidade de contratação de projetos complementares, que não foram realizados anteriormente, uma vez que foi concluída a etapa que havia sido planejada com a estrutura/arquitetura básica do complexo”.