As denúncias de superfaturamento na contratação de ambulâncias para o SAMU de Campinas não têm nenhum fundamento, segundo o presidente da Rede Mário Gatti, Marcos Pimenta. O Ministério Público está investigando a acusação e o inquérito civil instaurado aponta a contratação da empresa Equilíbrio Serviços Médicos Especializados sem licitação, e com valores acima dos pagos por outro município em contrato semelhante. A Prefeitura de Campinas nega a acusação, e diz que o acordo foi feito para evitar desassistência. A administração também alegou que a contratação emergencial é prevista em lei.

Em Valinhos, o aluguel de cada veículo de outra empresa contratada por licitação, custa aproximadamente R$ 5 mil. Já em Campinas, o valor é de R$ 12,2 mil por ambulância. O presidente da Rede Mário Gatti, Marcos Pimenta, afirma que os valores citados não correspondem a realidade e que os serviços prestados pela empresa contratada são mais completos em Campinas. Segundo ele, a Rede solicitou e analisou os contratos firmados por Valinhos e que foram citados na denúncia. Marcos Pimenta foi ainda categórico ao negar qualquer acusação de superfaturamento na contratação das ambulâncias.

A prefeitura de Campinas e a Rede Mário Gatti informaram ainda que os esclarecimentos já foram encaminhados ao Ministério Público.