De acordo com os dados do Sindicato dos Postos de Campinas e Região, o RECAP, os custos da gasolina nas refinarias da Petrobras aumentaram 27,8%, no período de 09 de janeiro a 19 de março deste ano.

Porém segundo a ANP, a Agencia Nacional do Petróleo, em Campinas e região, por enquanto, o preço ao consumidor final vem se mantendo estável.  De acordo com a pesquisa feita pela Agência, em janeiro o preço médio nos postos de Campinas era R$ 4,026 e na primeira quinzena de março ficou numa média de 4,028.

De acordo com o presidente do Recap, Flávio Campos, os preços da gasolina nos postos de combustíveis estão ligados diretamente aos preços das companhias distribuidoras, porém a concorrência dita o mercado.

Diante da concorrência o critério fica a cargo consumidor, mas, na opinião do vendedor  autônomo Alexandre de Lima, tem que se tomar muito cuidado para o barato não sair caro. Já o motorista de aplicativo, Laio Gomes, também procura o melhor preço e nas últimas semana notou uma certa estagnação. Para a esteticista Graciela Salvador, não vai demorar para que o aumento nas refinarias chegue as bombas dos postos. Para o analista Isaque Silva de Oliveira, o aumento já chegou.

O presidente do RECAP, Flávio Campos, explicou que pelas regras atuais, os postos não podem comprar gasolina e diesel direto das refinarias, adquirindo apenas das companhias distribuidoras, que são responsáveis por toda a logística do abastecimento nacional em todos os estados brasileiros. Ele faz questão de frisar que os preços dos combustíveis são livres em toda cadeia, da produtiva ao consumidor final.