A qualidade da merenda oferecida às escolas da rede municipal de ensino de Campinas foi tem de um debate realizado nesta segunda-feira, na Câmara. Organizado pela Comissão Permanente de Educação e Esporte, o assunto ganhou repercussão depois que o instituto Indsat divulgou o resultado de uma pesquisa que apontou que a cidade tem a pior merenda entre os dez maiores municípios do estado de São Paulo. O assunto chamou a atenção de alguns vereadores, que passaram a usar a tribuna da casa para apresentar novas denúncias que comprometiam a qualidade da alimentação oferecida nas escolas.

A prefeitura negou que houvesse qualquer irregularidade na distribuição da merenda e questionou os métodos utilizados pelo instituto de pesquisa. Deste modo, a comissão convidou os representantes do poder público para prestar esclarecimentos. A Coordenadora da Nutrição da Secretaria Municipal de Educação, Maria Helena Antonicelli, disse que a pesquisa fazia referência ao último trimestre do ano passado, quando não houve reclamações sobre a merenda. Ela entende que algum problema pode ter surgido, mas que isso não poderia refletir na qualidade da alimentação oferecida nas escolas públicas da cidade.

O presidente da Comissão Permanente de Educação e Esporte da Câmara de Campinas, vereador Gustavo Petta, do PC do B, ressaltou a importância do encontro para acabar com as dúvidas sobre o tema. Ele afirma que independentemente das argumentações, existem problemas que precisam ser resolvidos com urgência, como por exemplo, a retirada da salsicha do cardápio oferecido, já que o alimento não tem nenhum valor nutricional. No ranking de qualidade da merenda com as 10 maiores cidades paulistas, São José dos Campos lidera, com 708 pontos, o que indica um alto grau de satisfação. A capital São Paulo, somou 512 pontos e ocupa a nona colocação, com grau médio de satisfação. Já Campinas está na décima e última colocação, com 475 pontos, sendo o único dos municípios avaliados com baixo grau de satisfação.