A ideia, do ministro Gilmar Mendes, foi apresentada como alternativa já que o STF não teria tempo hábil para discutir o mérito do pedido de liberdade de Lula antes do recesso. Maioria da Segunda Turma, no entanto, não concordou com a argumentação e a derrubou no voto. O mérito do recurso, que é a alegada falta de isenção de Moro para atuar no processo, ainda será analisado, mais provavelmente em agosto.