Os postos de saúde de Campinas estão com os estoques abastecidos da vacina contra o Papiloma Vírus Humano, o HPV, mas  a procura é baixa.

Desde 2014, a vacina entrou para o calendário de imunização do Sistema Único de Saúde, o SUS,  para meninas de nove a 14 anos.  A partir de 2017 passou a ser oferecida também aos meninos de 11 a 14 anos de idade.

Apesar dos  riscos a  procura  pela vacina é  baixa e no ano passado a meta de imunização, segundo a  coordenadora  de Imunização da Secretaria de Saúde de Campinas, Gabriela Marchesi, não foi atingida.

Na opinião dela um dos fatores para a baixa procura pela vacina contra o HPV é o tabu que ainda existe de que a vacina seria uma forma de interferir no comportamento sexual dos adolescentes.  Outro problema é o medo de possíveis reações adversas. Consciente sobre a situação a jornalista Denise Assis, já imunizou os filhos.

Atualmente há mais de 150 tipos de HPV, mas somente 12 deles são considerados de alto risco. O HPV é um dos principais causadores do câncer de colo de útero, câncer anal, de vulva e de pênis.

A vacina é aplicada em duas doses e imuniza a pessoa pelo da vida. A segunda dose é aplicada seis meses após a primeira. Em Campinas a vacina está disponibilizada para o público alvo em todas as 66 unidades de saúde.