Campinas tem quase 400 mil pessoas morando ou trabalhando em áreas irregulares. Os números são da própria Secretaria Municipal de Habitação que informou que, atualmente, são aproximadamente 260 áreas ou ocupações.

O município tem hoje quase 1,2 milhão de moradores o que faz com que ⅓ da população more ou trabalhe em áreas irregulares.

A Prefeitura de Campinas atua por meio do Programa de Regularização Fundiária. Como meta, a administração elencou 111 núcleos e quer entregar 20 mil matrículas até o final de 2020.

O advogado especialista em Regularização Fundiária, Renato Góes, ressaltou que esse problema não é exclusivo de Campinas mas está presente em grande parte das cidades brasileiras.

Segundo ele, no caso de Campinas, os números não são referentes apenas às residências, mas envolve indústrias, comércios e loteamentos de alto padrão.

Segundo o especialista, enquanto as autoridades não buscarem regularizar a totalidade das áreas e ocupações, a parcela da população que vive em áreas regularizadas continuará pagando a conta do serviço público. Renato Góes lembra que o crescimento da ilegalidade agrava a qualidade do serviço prestado.

A prefeitura informou que está trabalhando para regularizar todos os núcleos consolidados há mais de 5 anos (de 2017 pra trás) num processo que vai oferecer segurança jurídica às famílias já que num futuro próximo elas terão em mãos os títulos de propriedade do imóvel onde vivem.