O Parque das Águas, localizado no Parque Jambeiro, foi revitalizado em 2017, com obras que desassoreamento, substituição e ampliação do sistema de iluminação, pavimentação da pista de caminhada e o enriquecimento do paisagismo com espécies nativas. Mas, o que se vê no local é uma lagoa tomada por uma planta cujo caule, impregnado ao fundo, invadiu as águas, que ficaram turvas e dificultam o passeio de aves e tartarugas que vivem no local.

Apesar dos animais ainda conseguirem utilizar a lagoa, mal conseguem nadar. Eles praticamente caminham sobre os caules para se deslocarem de um ponto para outro da lagoa. A situação preocupa a frequentadora, Angélica Pimentel, que ao questionar a administração sobre o problema, foi informada que a obra para a retirada da flor de lótus seria inviável economicamente.

A pista de caminhada tem 1200 metros de extensão e recebeu pavimentação quando foi revitalizada, medida que agradou os frequentadores. De acordo com eles, os funcionários do Parque das Águas fazem manutenção e limpeza adequada no local, mas alguns cobram da administração municipal reparos e obras de infraestrutura.

Um dos problemas citados por Regina Blumer é a falta de uma ponte para que faz a interligação para um dos quiosques, que foi retirada por problemas estruturais e não foi substituída. Outro problema no local é provocado pela própria falta de conscientização de quem utiliza o Parque das Águas aos fins de semana, responsáveis por deixarem um rastro de sujeira por onde passam.

O frequentadores que chegam pela manhã na segunda-feira contam encontrar desde sacos plásticos e garrafas pet, até restos de comida. Adriana Yendo conta que os funcionários do parque têm muito trabalho para deixar tudo limpo novamente. O Parque das Águas tem uma área urbanizada de 90 mil metros quadrados e um espaço ainda não urbanizado de 160 mil metros quadrados.