Uma capacitação gratuita para a inclusão de refugiados em situação de vulnerabilidade no mercado de trabalho ocorreu em Campinas nesta terça-feira. Realizada pela Organização Internacional para as Migrações, as oficinas prometem auxiliar o setor privado no desenvolvimento de ações e políticas corporativas para a contratação destes migrantes.

Campinas foi escolhida para receber a capacitação por ser um polo tecnológico com reconhecimento nacional. Além disso, de acordo com Carla Lorenzi, representante da agência da ONU para as migrações, Campinas é também o segundo município paulista que mais recebeu refugiados nas últimas décadas.

Katia Gomide tem um bar na Rua Padre Almeida, no Cambuí, e teve uma experiência muito positiva na contratação de migrantes. Ela explica que por causa da situação de vulnerabilidade e pela necessidade do emprego, eles agarram as oportunidades e são mais comprometidos que os brasileiros.

Dannis Castañeda fez questão de acompanhar Katia na capacitação. Ele é garçom do bar, onde começou como ajudante geral e foi logo promovido. Ele é venezuelano e veio para Campinas com a mulher e os 4 filhos em fevereiro do ano passado. A Fábrica de sorvetes que ele tinha na Venezuela teve que fechar causa da crise política e econômica o país.

Ele conta que conseguiu vencer os obstáculos da migração, graças à receptividade do brasileiro. As oficinas visam promover políticas para inserção do migrante no mercado de trabalho, esclarecendo mitos e dúvidas sobre o processo de contratação, assistência e documentação.