O temas para o cinema de John Williams

A música tema de um filme pode ser tão marcante a ponto de dispensar identificação.

Mas é preciso dar crédito ao Super Homem que compôs essa e outras trilhas sonoras. Ele é John Williams, um maestro novaiorquino que tem números impressionantes de indicações e prêmios . Oscar, Grammy, Globo de Ouro, Emmy. Não Existe nenhuma disputa importante no mundo da música da qual ele não tenha abocanhado vários Troféus.

Durante o serviço militar esteve envolvido com a banda da força aérea, fez cursos de música em prestigiadas escolas, teve aulas particulares, foi pianista em casas noturnas de Nova York . Tudo isso foi ajudando na preparação do jovem John Williams para futuros desafios, que não demorariam a chegar. Já no final da década de 50 ele era contratado por um estúdio de Hollywood e ganhava a oportunidade de trabalhar com mestres do porte de Alfred Newman e Henry Mancini, verdadeiras lendas na criação para tv e cinema. A sétima arte, por sinal, renderia uma amizade mais que especial a John Williams, o compositor foi procurado por um diretor em começo de carreira chamado Steven Spielberg. Esse contato trouxe resultados positivos imediatos para ambos

É raro achar um filme de Steven Spielberg no qual a música não esteja a cargo de John Williams. A parceria começou em 1974 e não parou mais. E se engana quem pensa que a contribuição de John Williams para o universo das trilhas sonoras está somente na criação de temas memoráveis . Também pode ser atribuída e ele a retomada de composições originais e a volta das orquestras nas gravações, costumes que estavam em baixa na década de 70. E o som apoteótico possibilita ao ouvinte uma viagem, nesse caso, intergaláctica.

Viver de música não é apenas força de expressão quando o assunto é John Williams . A partir de 1980 ele desenvolveu um trabalho paralelo ao de compositor de trilhas sonoras, que foi o de regente da orquestra popular de Boston , cargo que ocupou até 93. Mesmo com ensaios, shows, e até viagens internacionais para apresentações, não abandonou o cinema, mas conciliar compromissos foi desafio comparado a uma aventura de alto risco.

John  Williams foi convidado de honra para conduzir sinfônicas, filarmônicas, e Orquestras em vários Estados Americanos. Escreveu peças e concertos para trompete, flauta, violino, clarinete , entre outros instrumentos. Tudo na vida dela foi conquistado com a música, que no dicionário é definida como a arte e ciência de combinar sons de modo a agradar ao ouvido. Não há dúvida de que ele atingiu esse objetivo, mas não se espante de a obra de John Williams for apreciada até por algum ser de outro planeta.

Sem contar seriados de tv e outros trabalhos, John Williams compôs para quase cem filmes, sendo indicado ao Oscar em quase metade deles, quantidade e qualidade, John Williams conseguiu unir as duas coisas ao sonorizar imagens, e o seu nome está, com certeza, na lista dos maiores compositores de trilhas sonoras de todos os tempos.

Confira esta edição

 

 

entre em contato:

musicaecultura@cbncampinas.com.br

produção :

Walmir Bortoletto

edição:

Paulo Girardi