Construtora transforma empregados em parceiros e ganha em qualidade e produtividade

O mercado imobiliário no Brasil vive de ciclos, alternando momentos de altos e baixos, de acordo com a economia do País. Esta alternância tem um custo bastante grande para quem decide enveredar e investir neste segmento de negócios. A maioria das construtoras não resiste aos percalços financeiros e encerra suas atividades após alguns anos de vida.

Este não é o caso, até agora, do empresário Paulo Bandina, fundador da construtora Badina, há 40 anos no mercado da construção civil e parcelamento do solo. Mas qual o segredo para tantos anos de existência?

Ele responde a este questionamento no Programa Um a Um com Eduardo Santana, onde foi um dos entrevisto na edição do dia 5 de outubro. “Nos anos 80, pegamos os funcionários e demos um empurrão para que eles se tornassem empresários. Exercemos um papel empreendedorismo, dando a eles a chance de serem donos dos seus negócios”, revela. “Montamos parcerias que continuam até hoje, trazendo um ganho para todos. Ficamos uma empresa bem mais leve e eles começaram a ganhar mais”, conta Bandina.

E esta transformação dentro da empresa, transformando funcionários em empresários, ocorreu em uma época onde o rigor das leis trabalhistas imperava, não permitindo que os bons trabalhadores tivessem como ganhar mais. “Uma das dificuldades é nivelar por baixo. Um profissional produz cinco e o outro dez vezes mais. Os dois ganham a mesma coisa pela CLT”, lembra o empresário que viu, há mais de 25 anos, a oportunidade de crescimento apostando na meritocracia, um termo na moda hoje no mundo empresarial.

“Um dos grandes saltos (há 25 anos) foi a onda da reengenharia, que os jovens de hoje não conhecem. Foi um grande ganho, um salto”, recorda. “Hoje pode ter um contrato diferenciado de trabalho. Você dá um ganho para quem trabalha e se esforça mais.”

Ao adotar este modelo de negócios – meritocracia e transformando funcionários em sócios e parceiros – a construtora dirigida por ele conseguiu reter bons profissionais. “Hoje somos parceiros de negócios. Temos os melhores profissionais, pois são Pessoas Jurídicas (PJs). Conto com os melhores profissionais de urbanismo, arquitetura e design renomados que eu não teria condições de pagar, como Benedito Abud”, completa Bandina.

Quer saber mais sobre a história de Paulo Bandina e suas dicas para sua empresa ter sucesso? Acesse o podcast na íntegra com a entrevista concedida a Eduardo Santana no portal eduardosantana.com.br

Texto: Marcelo Oliveira – Assessoria de Imprensa do BNI Planalto Paulista