Um disco histórico e cercado de lendas !

Essa é a vinheta de abertura de um disco histórico, cercado de lendas, e quase ninguém conhece.

No começo dos anos 70, quando ainda era um desconhecido, Raul Seixas trabalhava como produtor na gravadora CBS e ele convidou Sérgio Sampaio, que havia conhecido há pouco tempo durante uma audição. Chamou também Edy Star, com quem já havia tido contato durante a adolescência na Bahia. E foi Edy Star quem indicou Miriam Batucada. Estava assim formada a Sociedade da Grão-Ordem Kavernista.

Em 1971, quando o disco foi gravado, os 4 kavernistas não passavam de apostas. Raul Seixas não tinha iniciado a carreira solo. Sérgio Sampaio só teria o seu único sucesso no ano seguinte com Eu quero é botar meu bloco na rua. Edy Star era mais conhecido por ser apresentador de TV , do que cantor . E a única com um pouco mais de experiência era Miriam Batucada que tentava consolidar seu nome do Rio de Janeiro.

Raul Seixas e Sérgio Sampaio assinam quase todas as composições do disco, em dupla ou individualmente  num tom sarcástico e irônico . Só que em 1971, em pleno regime militar, essa inteligência nas críticas sociais não era bem vista pela censura , que cortou muita coisa. As adaptações nas letras foram feitas e as  mensagens  foram passadas de um jeito ou de outro.

O lp Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta sessão da 10 foi lançado em julho de 71. Menos de 2 meses depois a CBS mandou recolher todas as cópias. A intenção de Raul Seixas e Sérgio Sampaio era fazer algo que quebrasse as convenções musicais da época e que obrigasse as pessoas a pensarem. E foi exatamente isso que eles ouviram quando foram chamados à sala do presidente da CBS. A bronca foi que as músicas estavam todas foras do padrão e as letras eram muito intelectuais, ou seja, eles acertaram em cheio, só que na pessoa errada.

Com o recolhimento do disco e a repulsa da gravadora, o grupo se desfez sem nunca ter feito nenhum show. Coube a Raul  Seixas espalhar histórias sobre as gravações ele dizia que tudo tinha sido feito às escondidas, que gastou muito dinheiro e que por esses motivos foi demitido a verdade é que a gravadora sabia do disco, mas não do conteúdo. Raul foi demitido sim, mas vários meses depois, não foi uma consequência direta do disco.

Apesar da contribuição de todos, não há como negar a forte influencia de Raul Seixas nesse projeto. As misturas musicais e as letras lembram muito o que ele viria a fazer nos anos seguintes. Apesar disso, o disco passou décadas praticamente esquecido. A Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta Sessão das 10 ganhou edições remasterizadas em cd e vinil, mas continua sendo um item caro, especialmente se o comprador quiser o raríssimo lp de 1971.

E pra encerrar essa edição do Música é Cultura, a vinheta premonitória da Sociedade da Grã- Ordem Kavernista que fecha o disco e que já dava uma ideia do que ia acontecer.

Acompanhe esta edição

 

Entre em contato

musicaecultura@cbncampinas.com.br

Produção

Walmir Bortoletto

Edição

Paulo Girardi